Menina, nem te conto! Meu amor de verão com 36 anos

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Menina, nem te conto! Sem comentários

Bom dia!
Me chamo Marina, tenho 36 anos, sou de SBC/SP mas moro em Fortaleza há 18 anos. Sou divorciada, tenho um filho e ano passado me apaixonei perdidamente nas minhas férias, por um rapaz que só vi uma noite e que nasceu no mesmo dia que eu.

Julho de 2018. Eu tinha acabado de sair de um relacionamento de 5 anos, estava na fase de renovação. Tinha 10 dias de férias e decidi viajar sozinha para Jericoacoara – mais conhecida como Jeri, uma praia maravilhosa do Ceará.

Eu já havia viajado só e ficado em hostel, mas sempre em quarto feminino. Só que por ser alta estação, o hostel só tinha quarto misto, ou seja, eu ficaria hospedada num quarto com mais 7 pessoas diferentes, homens e mulheres. Confesso que fiquei receosa, mas encarei essa viagem que seria só minha, eu estava precisando me reencontrar.

Cheguei em Jeri e no meu quarto tinha um rapaz muito simpático que já me apresentou para uma turma enorme, de diversas idades e diferentes lugares do mundo. Tinha gente do Ceará, São Paulo, Natal, Chile, Irlanda…me enturmei super rápido, apesar de ser uma das mais velhas da turma, mas com espírito jovem e sedento de novas aventuras.

Passei 6 dias em Jeri, fiz duas melhores amigas, a Milene e a Tati, garotas divertidíssimas de São Paulo. Aprontamos tanto durante esses 6 dias que dava para escrever um livro, mas um fato me marcou nessa viagem. Me apaixonei perdidamente por um piloto. Sabe aqueles amores de verão? Foi isso, rápido e intenso.

Numa das noites, fomos para uma baladinha sunset muito famosa na vila. Essa baladinha tinha a melhor caipirinha do mundo e o resultado: a gente bebia sem sentir, quando percebia, já estava bemmm alegre. Tinha um grupo de rapazes nesse dia e lá pelas tantas, acabei conversando com um, fomos andar na praia e o que mais me chamou a atenção nele foi que nascemos no mesmo dia, mesmo mês e mesmo ano. Sabe qual a probabilidade disso acontecer? De se encantar por alguém tão “parecido” assim? Mínima. Mas aconteceu.

Depois de muito implicar um com o outro (arianos, né mores?), fomos comer pizza. Lembro que ele me mostrou a carteira de motorista dele para comprovar a data de nascimento, já que eu achava que ele estava de brincadeira, só que eu não estava com a minha, então ele falava: você está querendo me manipular. Eu manipular? Sou a pessoa mais autêntica e sincera, ariana raiz mesmo.

Como ele ia viajar muito cedo no dia seguinte, foi cedo para o hotel, que por coincidência (ou não) era em frente ao meu hostel. Fiquei pensando numa forma de manter contato com aquele homão de quase 1,90 de altura, pois como estava bêbada, nem o nome dele eu lembrava. Só sabia onde trabalhava e a data que havia nascido.

Nessa mesma noite fui até a portaria do hotel que ele estava hospedado e deixei um recado num guardanapo: “Oi 23/03, adorei te conhecer e saber que tenho um ‘gêmeo de data, se quiser manter contato meu telefone é esse…'”. Dei as características dele para o recepcionista e fui embora.

Passei o restante dos dias apaixonada e tentando encontrar pistas dele nas redes sociais, mas não consegui nada, apenas descobri o nome através de uma foto no google. Voltei para a rotina e a vida seguiu. Ele não mandou nenhuma mensagem. Decidi acreditar que ele não recebeu o bilhete que deixei no hotel.

Um belo dia, em maio de 2019 – 10 meses depois – estou no instagram e vejo uma foto dele no perfil de um rapaz que eu seguia. Quase cai pra trás. Caramba, o encontrei de uma forma tão inacreditável!!! Imediatamente pedi para segui-lo, logo ele aceitou e mandei uma mensagem no direct: “Sério que encontrei o cara que nasceu no mesmo dia que eu? Hahahaha que legal”. Ele respondeu: “Mentira…eu estava tentando entender quem era, pensei que nem lembrasse mais daquele dia! kkk”. A conversa seguiu, mandei uma foto da minha carteira de motorista para provar que eu nasci no mesmo dia que ele (lembra que eu não estava com nenhum documento no dia?), falamos amenidades daquele dia e a conversa simplesmente esfriou. Assim, rápido do mesmo jeito que aconteceu naquela noite de julho. Um tempo depois vi que ele tinha começado a namorar, então desencanei. Desencanei assim, se ele me pedir pra me mudar pra Brasília eu aceito . 🙂

Menina, nem te conto!

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Menina, nem te conto! Sem comentários

Você tem alguma história hilária, incrível, interessante, digna de enredo de novela mexicana (também pode ser fofa ou meiga) ? Quer ver sua história publicada no MENINA, NEM TE CONTO e trocar boas risadas com os leitores da Mulher de 30?

Envia pra gente pelo email: falecomamulherde30@gmail.com.br
Toda terça publicaremos uma nova aventura.
Se você preferir, mantemos o anonimato… hahahahaha Vamos nos divertir juntos!

Suelen Silva – Quebrando barreiras

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Super Mulheres Sem comentários

Nossa SUPER MULHER de hoje é a superfã da Mulher de 30 Suelen. Olha que depoimento incrível recebemos dessa guerreira:

SUELEN SILVA – QUEBRANDO BARREIRAS

Meu nome é Suelen, podem me chamar de Sú.

Tenho 36 anos, sou Profissional de TI na área de Governança e empreendedora de Moda Afro com foco em beleza e auto estima da mulher negra.

Leonina raiz, amo Samba e Carnaval, modéstia parte sou super gente boa e muuuuito falante.

Durante muito tempo eu tive uma relação conflituosa em ser negra e “ser” bonita.

Porque eu até me achava bonita, mas o que eu via em mim era muito diferente daquilo que a sociedade me ensinava como “o que era ser bonita”.

Então eu cresci alisando os cabelos, usando batons neutros para não ressaltar ainda mais os meus lábios enormes, usando roupas neutras porque pele negra não podia usar cores vibrantes ficava muito feio e chamativo, blá blá blá…

Até que um dia, em uma seleção de emprego indicada por uma Amiga, onde eu me saí muito bem, mas não fui selecionada pelo gerente da área porque eu não estava dentro do padrão das pessoas que trabalhavam na empresa. Não haviam negros trabalhando na empresa, pelo menos não nesse setor. Minha Amiga me deu essa notícia totalmente incrédula.

Me senti tão impotente, porque eu seguia exatamente o padrão aceitável! Tinha um cabelo alisado, extremamente bem tratado, só usava roupas sóbrias e neutras, maquiagem discreta para não ressaltar tanto a minha negritude, o que estava errado?!?!?!

Foi então que eu entendi que eu não podia mais ficar me escondendo, que eu não poderia aceitar esse lugar apagado onde a sociedade estava me colocando, que por mais que eu tentasse me enquadrar, eu não agradaria a todos. Então a partir daquele momento eu decidi a agradar somente a mim, a me encaixar no meu próprio padrão e a ser EU.

Foi todo um processo de desconstrução, que levou tempo, foi aos poucos. O passo mais difícil foi a transição capilar! Meu Deus, que lutaaaaaa! Cortei o cabelo curtinho para tirar toda a química, enfrentei olhares de deboches, comentários que machucaram.

Mas nada disso tinha mais o poder de me parar, porque eu já tinha entendido quem eu era, sim, uma mulher maravilhosa com o meu cabelo crespo, meus lábios grossos, meu nariz achatado e a minha pele negra.

E foi como florescer! Foi uma jornada de autoconhecimento incrível! Eu nunca me achei tão LINDA como eu me acho hoje! É algo tão transbordante que as pessoas me perguntam porque eu não assumi o meu Canelo Crespo antes! Kkkkkk

Eu digo que o meu cabelo crespo é a minha coroa! Ele me elevou ao meu lugar de RAINHA!

Durante esse processo de me redescobrir, eu encontrei vários obstáculos! Eu não achava produtos de cabelo para a textura natural do meu fio crespo, maquiagem eu tinha que misturar duas, três bases para achar o tom mais ou menos próximo da minha pele, acessórios afro, que eu sempre amei mas não usava porque chamava muito atenção, eu não achava e quando achava eram caros.

Eu pensei que outras mulheres também passavam por estes mesmos obstáculos! E fiquei buscando uma maneira de nos ajudar! E coroando essa transformação eu me descobri empreendedora e abri minha propria loja de produtos afro.

Como empreendedora ainda encontro muita dificuldade em encontrar maiores variedades de produtos voltados para a pele negra. Mas acredito que toda mudança precisa ter o seu ponto de partida e nós já começamos.

Cada vez mais mulheres negras estão se encontrando e se descobrindo e o mercado precisará acompanhar essa mudança, oferecendo produtos adequados a nossa pele, ao nosso cabelo ao nosso biótipo.

E eu seguirei aqui, buscando, abrindo caminhando e conquistando cada vez mais espaço para todas nós!

Mulher de 30, muito obrigada por nos dar voz!