Menina, nem te conto!

Quer participar do ‘Menina, nem te conto’? Envie sua história para meninanemteconto.estudio@gmail.com ou entre em contato.

Menina, nem te conto! Duas gatas de parar o trânsito!

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Menina, nem te conto!, Tirinhas 15 comentários



Olá, Mulher de 30!

Bem vou contar uma de muitas histórias ou micos como costumamos dizer.

Tenho uma amiga de infância, crescemos juntas e compartilhamos tudo, desde ensino fundamental, ao primeiro beijo, primeiro ficante, namorados e hoje somos casadas e dividimos alegrias e frustrações do casamento.

Ela é formada em Serviço social e eu estou no segundo ano de psicologia. Ela divide comigo sua experiência profissional e de graduação enquanto divido com ela a experiência de ser mãe de uma menina de onze anos e ela mãe de menino de um ano e assim vamos… De todos esses anos temos muuuuuitas histórias, muitos micos juntas.

Tempos atrás fui à casa dela em Campinas e fomos dar umas voltas de carro sem os maridos e filhos. Adoramos ficar a sós pra conversar segredos – na verdade é pra reclamar do maridos mesmo – rs. 
Temos 31 anos,  ela loira alta dirigindo com cabelos esvoaçantes e eu morena de olhos verdes nos sentindo cheias de charme até que um carro atras de nós começa a buzinar e o rapaz bonito a acenando sem parar!!!
Ficamos vermelhas, tímidas, mas com o ar de quem ainda está podendo! Pra não dar bola minha amiga acelera e o rapaz e seu amigo vêm correndo disparado atrás da gente!  
Chegando ao farol próximo a virar a esquina o rapaz encosta do nosso lado e grita: 
– Não entra nessa rua não porque é contramão! Estão malucas?!?

Fazer o que, né?

Essa história eu enviei em homenagem a minha amiga Tatiane, afinal são 22 anos de amizade sem brigas e com todas as diferenças. Ela é uma companheira maravilhosa. Eu dei muita sorte nesta vida pois consegui levar comigo a minha melhor amiga da escola pra toda minha vida.


Beijos da Flavia :)

Trackback from your site.

Menina, nem te conto! – Vizinho pirralho

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Menina, nem te conto!, Tirinhas 102 comentários

Boa tarde, Cibele

Espero que minha história dê uma tirinha…

Estava sem namorado há muito tempo e o dia dos namorados estava chegando, e eu odeio passar esse dia sozinha.

Então, tinha um garoto que dava em cima de mim desde que ele tinha 15 anos, um piralho. Ele foi crescendo e andando atrás de mim, e eu bem mais velha saindo fora, ele foi crescendo e ficou um ‘homão’, fez 18 anos e tirou carteira próximo ao dia dos namorados. Ele mora na frente do meu prédio, tocou meu interfone e disse que queria ir ao meu apê  neste dia, eu carente e de saco cheio do pirralho, resolvi dar uma chance.

Cheguei do trabalho, em meia hora arrumei a casa toda, me maquiei, depilei, perfumei toda, tava até de salto, fiz uns belisquete e na hora marcada, chega o menino… Bateu o interfone, abri e até ele chegar no 4º andar, joguei um perfuminho leve na sala, deixei meio escurinho, liguei um sonzinho despretensioso. A campainha tocou, era ele. 

Quando abri a porta, olhei ele de cima abaixo e ele estava de tênis preto, meia branca, bermudinha no joelho, camiseta de escola, isso mesmo, camiseta de escola, nem era branca de tão velha e rodando a chave do carro e disse: ‘‘Ei, vizinha… Vim aqui só pra dizer que não vou  ‘vim’ não, por que vou sair com a minha mãe…”

Virou, me deu um selinho e foi embora… Eu tô muda até hoje…

Beijos
Vanea

Trackback from your site.

Menina, nem te conto! – De sutiã em praça pública

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Menina, nem te conto!, Tirinhas 15 comentários

“Viajei para Curitiba para fazer turismo. Como todos sabem, Curitiba pode surpreender na hora do clima, uma hora está quente, do nada começa esfriar ou vice-versa. Enfim, levei duas camisas: uma para frio que estava acima e abaixo uma camiseta.
Estava tirando fotos em uma praça movimentada, e meio atrapalhada, pois eu estava em grupo e todos já queriam ir embora porque já passava do horário do almoço.
Mas eu teimosa, insisti em tirar mais algumas fotos e na pressa, já estava suada pois havia esquentado demais, tirei a blusa que estava acima, mas devido à pressa a camiseta que estava abaixo veio junto, em resumo fiquei de sutiã em praça pública! Hahahaha
E eu não havia me dado conta de imediato do que havia feito. Depois de alguns segundos que vi todos arregalando os olhos para mim, me deparei com o que fiz. Imagina o desespero na hora. Os que me viram devem ter pensado: “deve ser moda de onde ela veio!”.

Nós, mulheres de 30 inventamos moda até quando não queremos. Hahahaha”

Beijos, 

Marcele

Trackback from your site.

Menina, nem te conto! Santo Antônio

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Menina, nem te conto!, Tirinhas 37 comentários

Oi Cibele,

Adoro o site! Embora eu ainda não seja uma mulher de 30, já me sinto como uma!
Mas a história que eu vou contar aconteceu com uma amiga. 

Quando a Helena, minha amiga, completou 30, ela já estava há uns bons meses sem namorado. Ela é exigente, procura sempre o “cara certo” e não gosta de aproveitar o tempo se divertindo com os caras errados.

Então, no dia em que ela fez 30 anos, as amigas a presentearam com uma imagem de Santo Antônio, num tom de brincadeira e deboche. Acontece que ela levou a sério e acabou virando devota do santo casamenteiro. 

Vez ou outra a imagem do Santo Antônio vinha nos nossos papos e ela dizia: “tenho conversando com ele”. Mas, o tempo passava e naaaada dela arrumar um namorado, até que a alertamos sobre o erro que ela estava cometendo e dissemos: “tens que maltratar o Santo, colocá-lo na geladeira, deixá-lo de cabeça pra baixo, etc. Enquanto ficares conversando com ele, ele não vai te arrumar um namorado, porque ele não vai querer te perder”. 

Bom, depois desse nosso ultimato, ela resolveu que era hora de começar a maltratar o Santo, afinal, ele já estava em débito fazia meses. A partir desse dia o Santo Antônio sofreu as mais diversas represálias. 

Passaram-se alguns meses e, então, quase como num milagre, ela nos contou que tinha um novo colega de trabalho e que este colega era o “cara certo” e o MELHOR: SOLTEIRO!  

Os dois ficaram bem próximos logo nos primeiros dias de trabalho, batiam altos papos e ela dizia: “acho que ele está interessado em mim, mas deixou claro que saiu recentemente de um relacionamento longo e preza a solteirice dele”. E emendava dizendo: “eu, é claro, faço pose de garota descolada e digo que ele tá certo, que tem que curtir a vida”. 

Até que um dia marcaram um jantar e, no final da noite, ele foi levá-la em casa. Ela o convidou pra subir. Na manhã seguinte, acordaram no quarto dela e ele, enquanto se vestia avisou: “Helena, só tem uma coisa, eu tinha avisado, eu fui sincero: não estou a fim de ter nada sério agora, não quero me casar, achei que teríamos uma relação legal, sem pressão”. E ela, imediatamente respondeu: “mas e quem disse que eu quero alguma coisa séria? Vamos curtindo.” E ele então, apontou para a prateleira e disse: “então o que aquele Santo Antônio está fazendo de cabeça pra baixo?”.

Rimos muito desta história. 

Beijo,
Carol

Trackback from your site.

Menina, nem te conto – Tropeção

Enviado por Mulher de 30 em . Publicado em Menina, nem te conto!, Tirinhas 36 comentários

Boa tarde, Cibele

Conheci há pouco o site mulher de 30 e simplesmente amei. Tenho visitado sempre. Sou uma mulher com quase 30, faltando apenas uns dias.

E hoje, resolvi compartilhar com vocês uma história que aconteceu comigo há algum tempo atrás.

Sou extremamente desastrada, com o tempo aprendi a rir com isso.

Estava voltando à pé de um curso por uma avenida bem movimentada de minha cidade, com uma sandália de salto anabela. Como não sou muito acostumada com saltos, não tenho muito equilíbrio com eles. Foi quando vi um rapaz muito bonito vindo em minha direção. Levantei a cabeça, joguei meus cabelos pra trás e levei um enorme tropeção, saí “catando cavaco” até chegar no rapaz, que simplesmente parou na minha frente. Para não cair tentei, sem pensar, me segurar nele, mas como ele não estava tão próximo,  fui caindo e passando a mão no rapaz tentando me agarrar em alguma coisa pra não cair de vez. Enfim, quando dei por mim, estava caída no chão, sem uma das sandálias, com os dois joelhos ralados e meu rosto nos pés do rapaz. Ele, sem entender nada mas logicamente rindo, me ajudou a levantar, perguntou se estava tudo bem, pegou minha sandália, que nessa hora estava na rua, e foi embora.

A educação do rapaz era proporcional à sua beleza, mas graças a Deus nunca mais o encontrei.

Espero que se divirtam um pouco com a minha história, fiquei com muita vergonha na hora, mas isso sempre passa e acabo me divertindo com os desastres da minha vida.
Um grande abraço
Marcela 

Trackback from your site.
Página 5 de 13« Primeira...34567...10...Última »